The Walking Dead: confira as diferenças entre a HQ e a série

Sucesso desde a sua estreia na TV, em outubro de 2010, a série The Walking Dead já alcançou números inquestionáveis de audiência. O que muitos não sabem, no entanto, é que toda a saga de Rick Grimmes e seu grupo é baseada em uma linha de histórias em quadrinhos, lançada em 2003.

Este post traz as diferenças entre as duas mídias, considerando tudo o que já aconteceu na trama. Então, se você nunca assistiu e não faz ideia de quem é Lucille, continue por sua conta e risco, pois daremos vários spoilers sobre tudo o que já aconteceu. Preparado?

Os personagens

Uma das principais diferenças entre a versão da emissora AMC e das revistas em quadrinhos é a inexistência e o desfecho de certos personagens. Enquanto alguns tiveram destinos trágicos, outros sequer deram as caras na HQ, e é esse o caso dos irmãos Dixon.

O redneck bad boy mais querido da série, Daryl Dixon, não existe no The Walking Dead original, na qual seu papel é parcialmente dividido entre Abraham e Tyreese.

Merle também é criação exclusiva da televisão e, embora tenha alguns feitos de destaque, existe mais para aprofundar o personagem vivido por Norman Reedus. Sasha, Beth e Tara fazem parte desse quadro.

As mortes

A obra de Robert Kirkman é bastante reconhecida por não economizar na violência, e isso está intimamente ligado ao destino que alguns personagens têm.

E é na saga do Governador, parte importantíssima para toda a trama, que isso é elevado a níveis incomensuráveis: nas revistas, Rick tem sua mão amputada logo no primeiro encontro com o vilão e Michonne é torturada e violentada por dias. E não para por aí.

Lori Grimmes, por exemplo, morre em um período semelhante à série, mas de uma maneira muito mais cruel nas HQs — baleada enquanto foge de um ataque do Governador na prisão, com Judith no colo, um dos momentos mais impactantes saga.

E por falar em coisas marcantes, na edição número 100, Kirkman decidiu que deveria fazer algo que deixasse os leitores boquiabertos, e nada melhor do que executar personagens queridos a sangue frio, não é mesmo?

Após a introdução de Negan no enredo, Glenn é brutalmente assassinado pelo vilão com golpes da Lucille — um taco de baseball envolto de arame farpado — em sua cabeça. Cena que, apesar de muito violenta, foi fielmente reproduzida na televisão. A adaptação também mostra a morte de Abraham, igualmente hedionda.

O enredo e os cenários

Alguns personagens ficaram profundamente marcados após certos eventos. Carl, por exemplo, passa por um amadurecimento precoce ao tirar a vida de Shane nas revistas em quadrinhos, e Rick fica muito perturbado com a morte de Lori e ouve sua voz ao telefone por um tempo. Ele enxerga o fantasma dela na série, inclusive.

Há também o relacionamento amoroso entre Dale e Andrea, presente na obra original, mas inexistente na TV, exatamente como Michonne e o protagonista.

Os cenários também carregam distinções nas duas versões, tanto em termos de momento em que são introduzidos quanto em características. Enquanto Rick se depara com uma Shirewilt — chamada de Wiltshire nos quadrinhos — com bastante verde na série, a original traz um inverno cheio de zumbis escondidos na neve.

Algo semelhante acontece com os canibais, que não têm um quartel general nas revistas e são um grupo nômade, que caça e consome a carne de suas vítimas por onde passam.

As diferenças são muitas, e não são por acaso: Scott Gimple, produtor da série, já explicou em entrevistas que a adaptação é um "remix" da HQ, e que a ideia é que o público possa ter duas experiências. E nós, fãs da obra de Kirkman, só temos a agradecer por todas as surpresas que ambas versões continuam nos trazendo.

Agora que você já conhece algumas das modificações do enredo original de The Walking Dead, que tal compartilhar este texto nas suas redes sociais e deixar seus amigos prontos para discutir todas elas?